Visitantes.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Minha sz

Eu pressinto o teu sorriso, posso enchergar os teus olhos e sentir a tua respiração
Posso ajoelhar aos teus pés e lhe jurar minha paixão
Gritar bem alto o quanto te amo com meu coração
Chorar baixinho pedindo a tua atenção.

Meu amor .. São etapas importantes que teremos que passar, caminhos longos e impetuosos que vão nos fazer cair. Mas eu quero que você saiba que meu amor por você é tão grande .. tão imenso. E nada no mundo vai me abalar, nem te abalar. Quer saber? Meu amor é tão imenso que não cabe mais dentro de mim, e a cada dia por aumentar mais e mais você vai se tornando a minha melhor e minha maior promessa de vida e de amor . Vou te dizer mais uma vez : Meu amor se encaixa com o teu , com teus olhos .. assim como minha boca encaixa e completa a tua. Minha vida.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Eu te amo

Estou com saudade de você e parece que não te vejo a tanto tempo. Eu queria poder te ver todos os dias, e passar contigo todos os meus momentos. Nisso tudo, nesse meio de tantos obstáculos e de tantos impecilhos, eu me vejo caindo ainda mais na dor da saudade, que vem .. sim, que vem. Sabemos que é difícil, mas eu te amo, e sei que um dia quem sabe poderemos ficar juntas todos os minutos, todas as vezes. É difícil viver escondida, tentar ser uma coisa que não somos e tentar esconder nosso amor, pelo simples fato de ser alguma coisa diferente. É diferente porque criaram isso para ser diferente, se o mundo fosse carregado de amor no lugar de tanto ódio, seria tudo muito melhor, mas não .. é tudo muito mais difícil e acham que temos que ter vergonha . Sinceramente, eu não tenho vergonha de absolutamente nada, porque eu te amo, e meu amor é maior que qualquer tipo de palavra ofensiva ou qualquer agressão. Sabe, eu estou aqui para lutar e agora lutar de verdade. É difícil meu amor, no meio de tanta covardia se sentir forte, mas eu vou estar contigo para te proteger e te ajudar a caminhar, do teu lado. Mas eu ainda estou com saudade e quero muito te ver, poder te beijar e dizer o quanto eu te quero. Quero poder andar nas ruas de mãos dadas contigo, em qualquer canto, e quero poder gritar o que você é para mim. Poder te levar para passear no meu jardim e te conquistar todos os dias que se passarem, poder então te ter comigo para sempre. Eu quero poder sentar a noite e ver você ao meu lado, poder te olhar e escrever sobre teu rosto, sobre teus olhos ou ir dormir e te ver deitada em minha cama, me esperando para acalmar meus sentidos e esquentar o meu corpo. Eu vou acabar com o preconceito que existe entre o nosso amor. Porque eu te amo, preciso te dizer mais? Você tomou conta de mim e do meu coração, me deu a chave para a felicidade que hoje, eu posso ter. E agora eu posso sorrir, posso chorar de alegria e posso dormir tranquila por saber que tenho alguém que amo , mesmo estando em outra parte do mundo. Mas existe uma coisa que você ainda não sabe, e eu vou te contar, eu te amo mais que amo minha prórpia carne, e minha própria solidão, que antes era o que restara dentro de mim. Eu quero poder estar contigo pelo resto dos meus dias, e espero que sejam muitos, pois contigo eu ando enxergando caminhos que antes eu não podia enxergar. Eu vou cuidar de você como minha alma, vou te prender em meu coração com grades de paixão, e vou dormir pensando em teus beijos, para que um dia eu possa tê los todos os dias, todas as noites. Espero te ver logo meu amor, e espero poder te abraçar para sentir teu corpo, poder permitir você a me dar o abraço que só vocÊ sabe dar. Eu te amo muito meu amor, minha vida.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Lágrimas.

Lágrimas encardidas pelo meu suor
Esbravejante e contemplador dos meus medos
Sólido e duro como o gelo dos meus gemidos
Em volta do cárcere da minha sobrevivência
Guardo meus punhos ao caráter da minha vida
Jogo ao vento os murmúreos das minhas tempestades
No luar irradiante e contemplado
No véu das bordas da minha ilusão
E a bruma espalmada das vertigens da minha carne
Se tornaram a morte em vida e coração
Grito pelo socorro diante das nuvens que me cercam e corroem
Ó lágrimas!
Caiam e obedeçam meus sentidos
Cortem minha carne, preciso de ajuda
Segure meus braços em cima de minha cabeça
Pendurada nos alçapões dos castelos que se formam diante de mim
Salvarei a princesa dos meus sonhos
Acordarei em meu jardim
Morrerei inusitavelmente contemplando minha sede
E meu sangue escorrendo
Trazendo a tona os meus medos
Agarrarei as vestes das minhas bravejantes espadas
Que cortam a carne da minha face
E se encontram jogadas ao relento
Diante das estrelas em movimento
E o mundo gira
Eu grito
Podes ouvir os meus gemidos?
Ó lágrimas!
Sustentem meus ouvidos
Tragam minha vida infernal
Diante das paralelas vontades
Do desejo da carne banal
Ao encontro do seio daquela mulher
De braços abertos abraçando minha alma
olhando forte, fixo
Sobre as grades da minha inocência
Sem perdão
Pois perdi esta licença.

Minha morte.

Quando as estrelas tomarem conta do meu céu esta noite, vou chorar.
Vou chorar meu choro manso e gritar baixinho para que ninguém ouça.
Eu me recolherei com meu papel e minha caneta, e as montanhas farão eco
Em minha voz úmida e cansada.
A silhueta dos meus pensamentos desenharão as medos que ecoam dentro de minha alma.
É forte.
Recostarei minha face na pálida estrutura do vento.
Esperarei minhas mãos trêmulas desenharem e contornarem o estranho da noite,
O aveludado véu da escuridão.
Nos silenciosos gemidos que eclodirão nas iluminadas cadeias
E espaços mortíferos que evidenciam cada pedaço da minha carne.
Eu então me vi só
Como se apenas existisse minha pele e meus gemidos,
Minhas dolorosas opiniões e minha solidão.
Quando a última folha seca do orvalho cair poderei perceber minha vida caminhando
Com minha morte.
Quando o grito percorrer meu interior e meus olhos enxergarem a sujeira que o vento leva,
Poderei perceber minhas mãos firmes penetrando na noite,
Debaixo da luz estonteante da lua.
Perceberei minhas lágrimas entusiasdamente fugaz,
E ao ouvir os berros dos lobos da montanha,
Permitirei meu corpo descansar na terra que a qualquer momento
Pode engolir minhas verdades,
Meu sofrimento e minha melancolia.
O que seria de mim se não houvesse o vento para bagunçar minha eternidade
E lançar ao mundo os soluços de lamento que se perderiam em meu túmulo
E no percurso do meu último suspiro.
Sento e observo o meu próprio destino,
Para que eu possa então vivenciar a escuridão da medonha treva.
E então colocar em um papel a aflição de viver e presenciar a morte dos meus olhos,
da minha alma
e da minha carne.

sábado, 26 de junho de 2010

A luz da lua exaltou sobre o céu estrelado
E nossos corpos sambaram no interestelar diante das nuvens
Com o particular dos nossos momentos
Encarcerou nosso medo no véu
Nas ameaçadoras tempestados
Eu te encontrei no mais puro do meu mel
A estrelas brilhavam
Tão intensas percorriam
O céu era estrelado
E tuas mãos as minhas guias

Nos oceanos te encontrei
Nas mais belas paisagens do luar
E a cada pequeno detalhe te notei
Em cada extensão quando a areia beija o mar
Nas atribulações do tempo
Nos pequenos e maiores pontilhos
Eu traço em cada parte
O meu amor antes escondido

E cada verso que eu proponho a dizer
É como um turbilhão de pequenas imagens
Saem de meus olhos e alcançam tua pele
Revivem os meus sonhos
Diante de de toda e qualquer caridade

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Ciúme.

Recostei minha cabeça na parede, e não sabia que meu corpo iria morrer tão lentamente. Minhas lágrimas ficaram amargas e minha pele fria, como se eu não pudesse sentir o calor que os raios solares insistiam em bater na minha janela. O vento não existira, mas o gélido do ar sim. Eu não conseguia respirar e meu coração estava apertado, assim como minha vida ficou . Não havia mais chão e eu estava flutuando de mãos dadas com os fantasmas que alimentavam os meus sonhos. O espelho estava quebrado, e meu travesseiro encharcado pela dor e pela minha melancolia. O mundo passou a ser divido entre amor e dor, entre luz e escuridão, entre caminho e perdão, e eu me vi ali, diante da escuridão dos meus olhos .. da minha alma. Minha alma transbordada pelo veneno que eu mesma plantei em mim, e meu sangue escorria por entre meus dedos, como a água do mar que eu ousera em tocar , e as góticulas da chuva que haviam molhado minha face. Meu choro manso era desesperador com o passar do tempo e o dia havia virado noite. Minhas mãos estavam fracas .. fracas assim como meu corpo que estava completamente morto. E a morte tinha vindo para me buscar. Eu ainda conseguia pensar e manter meus olhos abertos, mesmo parecendo fechados de tão escuros que estavam. E meu fantasma estava ali .. ele se chamava ciúme. O pior monstro que alimentara meus desejos inertemente caídos e contemplados pelo calor e pelo frio das sombras. O silêncio era o mesmo, e apenas podia sentir o mundo rodando, e a música que se formara quando meus gritos ecoaram dentro das paredes que sustentavam o meu corpo. E já não havia lágrimas, pois apenas meu coração estava inundado pela dor. Eu amei mais que amei minha própria vida, pois já não havia vida. E eu preciso de você para viver.

Estou perdida dentro de mim.


E quando eu acordar me sentirei perdida, já que só sei viver dentro de mim
E minhas mãos percorrerem a tela da minha vida que desapareceu pelo jardim
Então fiz um pacto com o tempo e ele jamais me perdoara
Sentei com o vento e abraçei as suas vestes
Procurei então cada pedaçinho que restara
E encontrei as folhas úmidas e espessas do outono que se seguira
Quando a felicidade resolvou tocar minhas mãos
E me senti tão fraca que resolvi procurar a escuridão
Me perdi dentro de mim, de novo.
Deixe-me continuar perdida, resolver retrucar contra o tempo
Quando ele voltar, virá com a morte
No sentido de coexistir minhas indiferenças, joguei fora o meu medo
Peguei as águas do rio com minhas mãos
Escorreram entre meus dedos como o suor das minhas ilusões
E o silêncio inteligente das mais belas melodias
Sopraram em meus ouvidos, me fazendo cair
Percebi ser o inverno diante de meus passos
E a escuridão diante de meus olhos
Que caem embaixo de meus pés
Retribuem a dor , e a calma de pedir um colo
Meus dedos deslizaram e encontraram a grama sórdida
Caída no jardim, entrelaçada com a luz da lua
E a mais perfeita melodia do silencio voltara a tocar
Cortante e tenebrosa, desesperada a me olhar
E o mundo dando voltas, deixei meu corpo a olhar
Quando o vento ventou com a morte, para me buscar.
Mas eu acreditava ser apenas um conforto, sem dores e sem fragilidades
Mas esqueci que sou frágil e fraca, desesperada e morna
E nem a morte quis me levar
Me surpreendi ao ver que nem eu mesma posso me suportar
Por isso me escondo dentro de mim
Com minhas próprias fantasias, e se algum dia a solidão vier me deixar
Eu proponho sair pela saída.
O desejo fora fatal
E meus gemidos ecoaram em minha face pálida
Resolvi fexar meus olhos e dormir para sempre
Pois volto a dizer
Só me encontro dentro de mim.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Minhas palavras.


Quando as palavras tocaram seriamente minha garganta,
minhas mãos dissiparam a escuridão
E o raiar do sol cessou a névoa que se formara diante dos meus olhos
E Minhas mãos encontraram a dúvida da libertação
Quando o vento rasgou os murmúreos da minha lamentação
Com a tinta em minhas mãos, e o lápis em meus dedos contornando minha vida
Imediata sob os olhos das minhas verdades
Cansada, sombria.
Sobre a bruma espalmada dos meus lábios cansados
E minha gargante inerte, presa e cortante
Ao caminho cansativo da estrela derradeira
Que alcança minhas mãos, diante do meu olhar
Um rio nasceu diante dos córregos da minha alma
Eu sinto dentro de mim , minha alma te chamando
Procurando tua face, diante de minha face
E tua voz, diante de minha voz
No teu sorriso, equalizado com minhas lágrimas
Da noite infiel que toca as paredes da minha inconciência
Desastrada, sambante do céu
As estrelas que contornam o pedaço do meu papel
Nesta terra amaldiçoada, correntes de perdão
Onde meu sangue desagua nos rios da minha intensa escuridão
Das aves, peguei a liberdade
Do teu corpo, peguei o fogo
Diente das pedras misteriosas de amor
Eu lhe jurei minha paixão
E mesmo distante eu lhe grito
Preciso que me estendas a mão
No sertão descontrolado que emana dentro de minha carne
Despedaçam- se os orgãos dos meus sentimentos
Eu sei então que preciso de você
até para respirar.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Eu vou te proteger.



Se existe poesia na minha vida, ou versos inexperados que consomem os meus olhos, eu posso chamar de você. É você que me faz entender o significado da minha existência .. O tempo consome minhas atitudes, e minhas palavras consomem meus olhos, buscando teus beijos, buscando teu olhar. E não quero deixar de sentir a tua alma, que está encaixada na minha. Eu sonho com seus abraços e com o calor, que existe em tua pele. Sonho com teu sorriso e com teu toque, e te quero a toda hora. Também sonho que o teu céu é totalmente meu, e que os raios solares acabaram com a neblina que formava em meus olhos. A saudade cortou o tempo, e meu coração cortou as possibilidades do vazio que agora não existe mais, e dessa vez eu não vou me deixar abalar, e vou te segurar em meus braços , fazer nosso amor ser intensamente diferente dos outros. Eu vou pegar o meu papel e minha caneta, vou escrever para você, sentar na areia da praia e imaginar o teu olhar. Vou deixar as ondas alcançarem os meus pés e me levarem para viajar, e ao passar dos minutos te trazer em meus pensamentos com a imaginem da tua face, penetrando em meus olhos. As nuvens cobrindo a montanha e o vento cortando minha pele, trazendo teus beijos, trazendo você. Eu te amo tanto .. te amo com toda a capacidade que minha alma tem para amar, te amo com toda a clareza que as palavras da minha boca conseguem te chamar, te amo com toda a dor que a saudade pode me trazer. Quando a nuvem trazer a escuridão aos nossos olhos, eu vou te abraçar , minha menina. Quando os gritos de dor ressoarem em nossos ouvidos, eu vou te ninar, te beijar e te proteger , te colocando para sonhar. Vou transformar a tua vida em poesia, derrotar os fantasmas dos teus sonhos, e te deixar sonhar tranquilamente sobre meu corpo, te esquentando com todo o meu amor. E o silêncio dos nossos olhares quando se encontrarem, esquentarem nossos corpos diante da lua, penetrarão os gemidos da noite em nossa pele, e me depararei dentro da tua carne, molhada de paixão. Eu vou te tocar uma bela melodia, quem sabe um soneto de luar, e vou cantar em teu ouvido para que sonhes de novo, com o meu amor, pois eu sonho todos os dias com minha vida entrelaçada na tua.

Eu quero ser louca .. poder viver.


Eu quero ser louca. Preciso ser louca.Ser diferente do normal e poder viver como eu acho que devo. E se viver o mundo lá fora diferente do mundo que eu criei dentro de mim é ser diferente, então eu posso dizer que sou diferente e completamente louca, por não ser igual. Eu nunca vou conseguir ser igual, até porque se todos pensassem como eu penso eu seria igual, mas por isso sou diferente, e sabe, eu adoro ser diferente, porque eu preciso viver minha vida de acordo como eu acho que devo e se quiserem me internar em um sanatório por isso, vou estar aqui. Ando lendo alguns livros, e entre eles alguns de psiquiatras e de pessoas que vivem ou que viveram algum tipo de depressão, e eu posso perceber que viver é o mais importante. Eu posso contemplar uma rosa, ou posso até mesmo estar feliz por sentar a noite em uma pedra no meio do nada e escrever como eu sempre quis, contemplando minha solidão diante do vento cortante , a qual eu tanto insisto em contemplar. Me pergunto tanto o porquê de ter escolhido o caminho mais difícil, principalmente no amor, mas depois de ter passado tudo o que passei e ter amadurecido tanto como amadureci, posso dizer que qualquer caminho que eu escolhesse iria ser difícil, e se eu escolhesse a mornidão de tentar viver em completa igualdade aos que me rodeiam, iria ser algo que eu não sou .. realmente, eu não sou. E então eu preciso contemplar as estrelas e a lua, e agora posso dizer que sou uma "lunática! e me apelidem disso, porque eu realmente quero ser uma lunática, já que agora entrei em um mundo que muitos não são capazes de entender, pois é o mundo que eu criei para mim, no qual apenas eu posso me entender. E eu aprecio o poder que os lunáticos tem para com a lua, algo realmente deve existir em suas ligaços um para com o outro, se não porque alguma ligação em suas palavras tem, percebi isso. As músicas diante do frio cortante da noite de inverno, e as poesias angustiantes que penetram meus pensamentos, atormentando tanto minhas razões que são capazes de misturar minhas emoções, criando esse novo mundo.Uma força me guia, talvez a força do tempo que arrasta os motivos das minhas ilusões , da minha existência. Na minha loucura, e na minha tranquilidade, no meu caminho e nas minhas trilhas, vou tentar ser realmente quem eu quero ser. Viver é viver e amar é amar, eu espero que chegue um dia que ser normal seja ser diferente, e que não exista o porquê do preconceito levar a morte. Ando pensando demais, e posso eprcber também que sou tão diferente, por achar e saber que sou diferente .. louca. É difícil ser louco, mas os loucos controlam o mundo. Eu bebi a água da eternidade ao perceber o quanto eu posso ser livre e o quanto eu posso tentar voar e alcançar as plenitudes, poder cortar o ar, o vento que bate em meu corpo quente. Talvez o medo a autodestruição acabe com as forças de tentar ser o que realmente é, tentar alcançar sonhos que só existem as vezes dentro dos próprios sonhos .. eu quero realizar, mesmo tendo que voar e me tacar do último andar. E se alguém me segurar, vou tentar de novo achar um jeito de me livrar. É tudo tão monótono e a rotina as vezes vem para atrapalhar, eu quero poder então viver, poder sonhar e realizar. As falhas impregnadas no meu eu mais inexistente atravessa os meus sentidos e então eu posso dizer que sou louca, e eu posso dizer que tenho e sou dona do meu mundo.

sábado, 19 de junho de 2010

Eu te amo muito.

Quero postar hoje uma coisinha. Estou com saudades de você, e também quero te dizer que eu estou absolutamente inerte aos meus sentimentos, porque o seu amor tomou conta de mim, e de tudo que existe dentro de mim. Quero te dizer que eu te amo, que eu te amo muito, e que meu coração agora chama pelo teu, como meu corpo chama o ar para respirar e minha sede a água para me salvar. Eu te amo muito meu amor. Eu te amo muito.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Até morrer.


Desejo, amor e paixão. Lágrimas, melancolia e medos. São sentimentos tão contraditórios e eu posso imaginar que você talvez não entenda, mas eu vou te mostrar o porquê de tudo fazer parte de mim.
Eu sinto desejo por você. Sinto desejo pelos teus lábios, pelo teu sabor e teu toque. Sinto desejo pelo teu gosto, pelos tuas carícias e pela tua face .. pela tua pele.
Eu sinto amor pela tua simplicidade, pela tua pureza e pela tua sinceridade. Eu sinto amor pelo brilho dos teus olhos, pela tua inocência e pelos teus passos. Sinto amor pelo teu amor, por tuas palavras .
Eu sinto paixão quando estás perto de mim. Sinto paixão quando te amo, quando ouço a tua voz, quando me pego pensando em você. Eu sinto paixão quando durmo pensando em ti, quando acordo te dando bom dia. Sinto paixão em cada momento que me dás a mão, que toca meus dedos, que arrepia minha carne e acelera meu coração. Sinto paixão quando abriga meus desejos e meu amor, quando me abraças, quando me beijas, quando me olhas. Sinto paixão ao ouvir a tua voz, ao ver o teu sorriso, ao pegar em teu rosto.
Eu choro e vejo minhas lágrimas caírem diante de minha face fria quando sento aqui e me sinto sem você .. te sinto longe. Quando sinto o fogo das cinzas da saudade incendiarem meu corpo, ou quando fexo meus olhos e me perco dentro de mim. Sinto as lágrimas quando sinto calafrios ao te deixar ir. Quando conto as horas para te ver novamente, e quando preciso deixar você se distanciar dos meus passos.
Eu me vejo melancolica quando me sinto forte ao teu lado e fraca sem você. Quando minha vida para e meu sorriso desaparece quando preciso te dizer até logo .. eu queria poder não dizer até logo e sempre estar contigo, mas o até logo me conforta por nunca ser um Adeus. Eu me vejo melancolia, perdida e fraca quando só posso te ver em meus sonhos, e feliz ao lembrar que no dia seguinte vou sentir o teu abraço, e sonho que estou em seu céu, como o teu sol. Eu vivo em meus sonhos sem querer despertar. E eu me vejo melancolica quando sinto medo.
Eu sinto medo em te perder .. em te perder. Tenho meus olhos presos ao futuro e meu coração acelerado com medo de não estar mais ao teu lado. E dessa vez eu não vou perder , porque eu vou te cuidar , mesmo tendo medo. Como os raios de sol eu vou esquentar você do frio que sopra em teus ouvidos, ou pelo vento que te dá calafrios, e vou te tirar da realidade. E eu tenho medo de te tirarem de mim, de meus braços não encontrarem o teu calor e dos meus lábios não encontrarem o teu sabor. Tenho medo de não segurar a minha mão e de te puxarem para longe de mim. Mas eu não tenho medo de te amar, não tenho medo de dizer te amo, e não tenho medo de mostrar para o mundo inteiro que eu amo amar você, e que eu preciso do teu ar para poder respirar. Eu não tenho medo de mostrar a realidade que amo amar diferente, e que amor é amor em todas as formas. Não tenho medo em andar de mãos dadas contigo, não tenho medo de te defender do mundo, do nosso mundo e do resto do mundo. Eu não tenho medo de te amar muito mais do que o universo e de te mostrar que meu amor é maior do que as paredes desta terra.

E meu mundo é você.


Meu mundo agora é outro, você quer saber o porquê? Espere um minuto, eu ando tentando achar palavras para poder ao menos te dizer o que eu sinto por ti.
Quando você olha para o céu e vê as estrelas, ou melhor, o brilho da lua, em que você pensa? Bom, eu penso em você, mas vou te dizer a verdade. Esse brilho já não tem algum significado para mim, porque o brilho dos teus olhos são muito mais importantes, e muito mais brilhantes do que qualquer estrela que está presa lá em cima. Eu sou uma escrava , só mais uma, mas sou uma escrava do teu amor. Me deixou completamente perdida dentro de mim, porque eu só me acho dentro de ti. Tão difícil viver assim longe de você, e agora que eu te escontrei , preciso te dizer. Você é tão perfeita como eu sempre imaginei, e em meus sonhos nunca imaginaria encontrar alguém como você. Não posso deixar de pensar que é impossível não te amar, e desde que você chegou meu coração mudou e a luz que não existia dentro de mim se encheu de fé .. fé pelo teu amor. Toda a minha vida mudou com o seu amor, e sinto que perco a razão quando te dou adeus, porque sem você eu não posso seguir. Preciso te deixar bem claro que meu mundo mudou. Você vai ver. Ele só gira com você. Minha trilha só posso seguir se for contigo, e meus passos só vou dar se tiver você ao meu lado. Teu corpo é mais quente que o calor do meu sol, e teu perfume mais penetrante que o das flores de todos os jardins. Minhas manhas você está presente quando abro minha janela, sinto o vento trazendo os teus beijos e teu toque. E meus sentimentos te buscam aonde quer que você esteja. E cada momento que eu vivo contigo, é o mais belo, o mais perfeito. Porque você meu amor, é perfeita aos meus olhos.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Meus pesadelos .. quem sabe, meus medos.

Quando deitei para dormir esta noite, as folhas do orvalho tocaram minha janela e eu levantei. A escuridão era inerte aos meus sentidos e eu tive a imensa vontade de perguntar o porquê do escuro amedrontar tanto. O tempo correu sobre meus olhos, os contemplou , e baterem em meu rosto. Alimentaram meus medos e meus sentimentos eternos. A lua estava ali, com a única luz perante á escuridão, e eu me senti no caminho mais pavoroso e mais difícil, o mais pavoroso e o mais inusitado. Era o caminho mais diferente talvez, por isso tenha sido o mais louco, e também o mais tranquilo. Meus olhos encontraram de novo o nada. O nada diante de tudo, como se minha vida estivesse parado diante do mundo, e as horas cortado o tempo. Estava ali, o fantasma de todos os meus medos e de todos os pesadelos, como uma pescadora de sonhos eu estava ali diante das monótonas vontades e pavorosos monstros que eu mesma criei. Quando encontrei o vazio, meus olhos cerraram e encontraram a morte, logo depois de encontrar a vida. Quando senti as águas e percebi o contorno dos rios nas margens dos meus pesadelos, e no sussurrar dos gemidos que vinham atrás das montanhas. Atrás dos sonhos pavorosos que estavam ali, diante de meu olhar. Nas cinzas dos restos da minha alma, senti o frio quando as lágrimas tocavam minha pele. Segui buscando o abismo entre minha vida e a minha morte, entre minhas vontades e os meus medos. Quando toda minha vida caiu diante do amor que me deixou, perdi a razão dos sentidos da minha razão, da minha solidão, das minhas verdades que podem ter sido em vão. Sigo buscando o caminho onde meus passos querem encontrar o nada, mesmo já tendo encontrado o vazio. Meus olhos voltam a chorar, já que os medos são maiores que a vontade de enfrenter, já que os braços onde queria me apoiar já não está aqui. E eu volto a chorar, quando a fraqueza consome o tempo que anda restando. Volte aqui! O medo está aqui, e eu tenho medo .. muito medo. Eu vou sempre estar aqui diante deste pesadelo, de mãos dadas com meus sonhos e minhas realidades, quem sabe minhas verdades. E meus olhos voltaram ao meu quarto , quando ouvi o barulho da solidão me chamando para deitar. Fexei a janela tendo encontrado a morte e voltei a dormir, encontrando os pesadelos que antes estavam ali, e chorei novamente, deitada esperando alguém vir me salvar .. talvez quando eu mesma consiga me salvar.

Só você.

E agora, o fundo da minha alma já tem outro nome. E agora, eu já estou curada, quem sabe tranformada por você. Meu coração é outro, e meus olhos .. Ah, meus olhos estão completamentes brilhantes só quando pensa nos teus. E o teu carinho, me faz reviver a cada dia, a cada momento. Minha vida agora só existe se a tua vida fizer parte dela, e meu coração agora, é o único que comanda meus sentidos, apenas. E você é a única que consegue ver o sorriso dos meus lábios quando meus olhos estavam frios, e aúnica que mudou o rumo das coisas, talvez o rumo do meu destino. E você descobriu o sentimento eterno que antes estava esondio dentro de mim, e só você virou minha loucura, meu delírio, meu caminho e minha tranquilidade. Eu só quero você e quero segurar a tua mão, a quem eu sonhei , a quem eu começei a respirar. E agora, você é o motivo dos meus sentidos, e só você tem o poder de renovar as minhas loucuras, só você tem o poder de me fazer parar de respirar e fazer o meu caminho, porque eu vivo pelo teu amor, e vivo para estar ao teu lado. E agora .. e agora que eu descobri que é apenas você para me fazer feliz, eu quero cuidar de você até o dim dos meus dias, já que meus dias só existem se você fizer parte dele. Já que meu coração só bate quando meu sangue ferve ao te ver, e acelera os comandos da minha respiração quando eu penso te perder.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Meu amor.

Se vida me entregou você. Eu vou te cuidar.
Levar você em meus sonhos, te levar para me amar
Quando as linhas das virtudes rodearem minha escuridão
Você apareceu e me livrou da solidão
As conversas e desvaneios que você proporcionou
Trouxe sorrisos que hoje a vida criou
Porque você estava aqui segurando a minha mão
E a liberdade inusitável tomou minha emoção
E em cada palavra que digo .. tento te ter
Demonstrar o quanto eu quero você

E quando as lágrimas caírem evidenciando meu medo
Renascerei no outro dia pela manhã sem desespero
Porque eu sei que sempre estará aqui
Unida sempre a mim. Só para mim
E se um dia acabarem com meu sorriso
Meu amor te alcançará em apenas um suspiro.

O meu mundo.

Nas dores do meu silencio, nas dores da minha alma eu caminho. E quando eu tento entender o porquê de não conseguir ir, eu entrego a solidão os meus caminhos e as minhas lágrimas, para quem sabe não chorar sozinha. Estou fraca, estou sozinha. Os fantasmas da tua voz desperta os meus pesadelos. E persisto nos lamentos que meus pesadelos me fazem, ou me seguem. Vou estender meus braços, e segurar a mão do silêncio, o reflexo da solião que pode ser eu, apenas eu. Eu preciso que me console, eu preciso que não me deixes chorar, de braços onde eu possa me apoiar. Venha aqui, solidão. Deixe as irradiantes têmporas dos teus gritos invadirem o meu espírito, invadirem a luz dos meus olhos mortos, deixe que teu sopro gélido se misture com o tempo que abraça minha face. Eu preciso do frio da solidão que toma minha carne, talvez eu mantenha em pé a minha vontade de liberdade que hoje já não é minha. Eu preciso estar aqui, preciso embarcar a minha melancolia de mãos dadas com os medos que frequentam a minha alma. Hoje, eu preciso estar aqui, ou quem sabe estar em algum lugar que ainda não existe, que pode existir dentro de mim. E dentro de mim eu posso morrer sozinha. Deixe o caixão ao meu lado esta noite, quem sabe eu enterre os meus medos ou os meus sorrisos, enquanto a chuva cair sobre minha face escorregando pelo meu rosto misturando minhas lágrimas de pavor com as de ilusão. Enquanto eu morrer lentamente, pode ser que eu consiga reviver antes mesmo de morrer, e a dor do inevitável atrapelhe a mornidão de não conseguir ser. Eu preciso poder sair de tudo o que ainda existe aqui, eu preciso acabar com o conformismo da normalidade e conseguir enxergar a minha loucura, conseguir procurar a minha vontade de conseguir morrer .. e viver. Mas se eu não conseguisse escrever o que eu sinto, eu estaria mota subitamente a cada amanhecer, ou a cada noite inerte ao gélido frio que consome meu mundo que gira ao contrário. Eu preciso me consumir por inteira e encontrar o verdadeiro sentido de estar aqui e ainda não ter conseguido ir. Meus passos me fazem cair, mas um dia quando eu levantar do caixão que brota meus medos, minha pele vai renascer e viver na terra dos loucos e conseguir o meu mundo .. o meu mundo. Quando o sangue percorrer a minha espinha, a sede da solidão combinará a atenção dos fantasmas dos olhos de quem agora, eu gostaria de dar as minhas mãos.

Eu estarei contigo.

Nos poços de saudades, nas arrepiantes tribulações
Nas inesperadas tempestades e irradiantes sorrisos
Nos mais mínimos detalhes, nas lágrimas mais intensas
Eu estarei contigo!
Nos teus piores pesadelos, nas tuas melhores fantasias
Na terra dos maiores preconceitos, no temor da sua ausadia
Nos versos de cada poema, nos soluços de cada dor
Eu estarei contigo!
Nos mais piores medos, nas melhores felicidades
Nos teus caminhos , na tua trilha
Nos teus passos, nas tuas caídas
Eu estarei contigo!
Porque eu te amo, eu te amo hoje, amanhã e sempre
Eu estendo as minhas mãos e te entrego a minha vida,
Te entrego o meu coração, e te entrego a minha alma.

sábado, 12 de junho de 2010

Amanhã.

Vou postar, mas de desabafo eu acho. Hoje, e nem amanhã vou postar. E vou passar o dia estudando, olha que tenso não? Amanhã tenho prova do vestibular, e sei que pode ser só uma prova, mas para mim não é só isso. Quem sabe, não é o meu futuro? Quem sabe não, é realmente o meu futuro que anda em jogo, e eu preciso conseguir isso. Estou insegura e nervosa, e acho que muitos também estão assim, só que tenho quase certeza de que essa vez não vou conseguir. Mas vou tentar, não custa nada não é mesmo? Vou passar o dia dos namorados em casa, estudando, e eu queria tanto poder passar abraçadinha com ela, podendo mostrar o quanto ela faz feliz a minha vida, o quanto ela me faz feliz. E para os que não podem passar namorando hoje, que não ficquem tristes, nunca passei dia dos namorados com ninguém HAHA' Tudo bem que é muito mais uma data comercial onde o capitalismo impõe a gente mercadorias e mais mrcadorias, mas não deixa de ser O dia dos namorados. Então, se divirta do mesmo jeito.
Venho aqui só segunda, amanã é UERJ. Sim, amanhã.
(yn)*

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Se a vida aparecer viva.

E se a vida me acordar esta manhã com o sopro da morte em meu rosto, vou levantar e libertar meu ser do medo da liberdade. E se o sopro do medo tocar minha pele e arrepiar o meu corpo, vou pular dentro de minhas incertezas que podem pulverizar minhas certezas. Quando o estrelar do céu de meus olhos se depararem com o murmúrio da melancolia de meus passos, vou levantar e erguer - me do chão gelado, ou talvez do abismo existencial que anda se formando em meio ao nada. Ao meu nada. E do sorriso inerte que não sai, vou me jogar. Mas a vida recompensará quando o sol queimar minha pele, encher a escurião que rodeia meus olhos com o cansaço de tentar levantar a cada tombo,ou talvez conseguir ser, sem realmente ter conseguido. E quando minhas mãos encontrarem a rachadura do reflexo de minha alma perdida , meus gritos de pavor revolucionarão os gemidos de dor e de medo que insistem em adentrar e impor as chamas da minha solidão.

Ouça bem.

Há um lugar que você nunca vai achar, talvez nunca compreender. É um lugar que eu encontro quando estou triste, talvez seja sempre. Se você soubesse o quanto eu sinto a tua falta, talvez daria a mão a minha e chegaria neste lugar que nunca foste capaz de compreender. Eu queria tanto que você conseguisse compreender tudo o que se passa dentro de mim. Eu queria poder te levar para dentro de mim e te fazer recordar de todos os momentos que foram importantes para mim e para você. É um lugar onde eu te tenho. Se você não está aqui, eu não estou aqui e se você está, eu estou. Não posso continuar sem o teu amor, nem a tua amizade. Ouça bem, vou esperar você em todo o lugar. Ouça bem, eu sempre estarei contigo na tua longa caminhada nessa vida, e para sempre, talvez eternamente. Se o sempre existir, eu estarei com você, mesmo não estando ao teu lado. Porque há um lugar dentro de mim que quando eu estiver triste vou me recolher, e quando você puder chegar lá, vou te ajudar a encontrar. Talvez quando o amanhã chegar, você vai me perdoar, e talvez voltar para que eu possa sorrir. Talvez você consiga me abraçar novamente e então me fazer protegida contigo. Eu sempre estareui aqui, e sempre que você precisar de mim eu estarei no mesmo lugar em que me deixou quando fostes embora. Talvez você veja que eu sempre estarei contigo e que nunca quis te fazer sofrer. Eu quero que você seja feliz, mesmo que seja sem mim.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Hoje.

Hoje, a morte me consumiu. Se eu disser que minha alma vive, estarei mentindo. Hoje, eu me perdi. Se eu disser que deixei minhas verdades inconcientemente.Hoje, eu me deparei com a ilusão e perdi minha solidão. Mas quando fexo os olhos , ainda penso nela. Hoje,estou completamente perdida entre tudo o que construí, imaginei. Talvez tivesse sonhado demais, sorrido demais. Mas acordei e novamente digo. Estou perdida por mim e por você. Os fragmentos dos tripés que sustentavam a minha carne sumira e o vazio da ilusão cortara meus sonhos e os lançara ao ar. Gélido e tempestuoso. Morto e melancólico.Talve assim como eu. E as verdades infundidas perderam as raízes e equalizaram minha melancolia ao frio. Quando eu descobri que os sonhos são sonhos e que dor é apenas dor.Então, não me julgues. Ficarei aqui, sempre aqui.

Ouvi você.

As flores dos orvalhos despiram o irradiar dos meus olhos
O véu da aveludada escuridão me fez te chamar a cada esquina
Meus olhos distantes e tortos acharam você em meio a escuridão
Ouvi vozes em minha mente, procurei por você em minha plena paixão
Quado o caixão de minha dor dessinterrou os meus medos
E teus gritos desesperados encontraram o meu
Quando o céu despedaçado caiu procurando por você
E a lua maltratada despedaçara entre as nuvens
Quando a neblina quiz me cegar
E então te procurei dentro de mim
E assim sei que vou lhe achar.

Para você.

Desperte deste sonho, ou me deixe sonhar
Desapareça dentro de mim, ou deixe-me te amar
Entregue o teu mel, disperse teu calor
Escreverei para você com todo meu amor
Traçe o céu vazio, recolherei o resto das estrelas
Para te ter para mim sempre, por inteira
Desperte da irrealidade, quero que saibas meu segredo
Eu estarei sempre ao teu lado
Eu lhe prometo.

AH! meu amor.

Ah! Você me consumiu por inteira
Ganhou meu coração agora, sem explicação
O amor me consumiu, me transformou, me animou
Gerou dores, felicidade, me incentivou
AH! Monótono quando não te vejo
Irreal quando te tenho
Pavoroso se não te acho
Complicado sem ter você
AH! Tenha-me contigo hoje, amanhã e para sempre
Tenha-me sorrindo ao teu lado eternamente
Tenha-me suspirando em teu ouvido diariamente
Pois teu amor me consumiu, me arrebatou completamente
AH! o véu da noite se lançou sobre nossos corpos
Criando desilusões pavorosas em te perder
Eu sei que nunca vou te deixar
Nem nunca vou perder você.

Hoje a noite.

Meus olhos distantes encontraram as janelasn que me chamavam esta manhã.Percebi minha face chorar com o contorno do vento. Pensei em você. Pensei em como posso te amar tanto. Choro pelas madrugadas, e então perceber tua voz doce correndo por meus ouvidos me acalma.Eu queria poder sorrir como você. Eu queria poder olhar como você. Mas eu não consigo entender o porqueê disso tudo. Hoje a noite, meus olhos vão te encontrar em qualquer lugar.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Extremamente.

É extremamente mágico tudo o que ando sentindo, e posso dizer que surreal também. A cada hora, a cada dia que passo contigo me vejo mais apaixonada e muito mais diferente. É extremamente diferente, eu ando precisando de você mais do que ando precisando de minha vida,e por isso eu percebo que sem você eu não consigo mais caminhar. Se todas as horas e todos os minutos eu ando pensando em você, o que eu faço quando você não estiver aqui? O que eu faço quando você estiver longe de mim? Eu te sinto tão perto a cada instante e a cada momento. É extremamente maravilhoso o que eu sinto, e essa sensação eu prometo a você, sempre será o impulso que fará você ver que eu te amo. Se um dia você não estiver aqui, eu vou te procurar em qualquer canto, porque eu quero que você saiba que já não existo sem você, e que eu preciso de você.

sábado, 5 de junho de 2010

-

Eu ouvi as gotas da chuva caírem e bateram na janela
Eu ouvi o grito de melancolia se expandindo em meio ao longe
Eu ouvi o socorro do meu reflexo convidando minha alma a se calar
Eu ouvi o pedido de meu coração que pedia para parar de voltar

E o mundo parou.

Nós estávamos ali. Só eu e você apenas, além da lua e das estrelas que brilhavam diante de nossas cabeças. A escuridão imersa em nossos olhares sumiram quando olhamos uma para a outra, e então o mundo parou. Em alguns segundos realmente só existia eu , você e o mar. Teus lábios encaixavam nos meus revigorando minha alma, e a luz da lua beijava as ondas do mar, revigorando seu ventos. E o vento tocava nosso rosto, nosso corpo e nos abraçava completando nossa inquietude. Quando a areia roçava nossos pés e fazia cócegas em nossa pele, quando o frio tremera teu corpo e o meu, segurando nossos braços e transformando nosso corpo em apenas um. Assim como meu coração se transformou e se uniu com o teu. E o mundo parou completamente, novamente. A lua nos abençoou e as estrelas abençoou o nosso amor. O mar comtemplou nossos beijos e olhares e a areia misturou seus grãos em nosso corpo, da mesma maneira que meu corpo se misturou com o teu e minha vida se tornou tua. E a noite estava parada ali e só existia eu e você, nosso amor e nossa paixão. O fogo nos esquentava e o vento nos dava frio. O fogo que nosso amor comtemplara e espalhara pela escuridão que ia se extinguindo a cada passo que eu dava e chegava mais perto de ti. E em uma hora, eu estava em você e você estava em mim. SÓ. E o mundo parou novamente. Mas quando você segurou a minha mão, e eu abraçei o teu corpo e resmunguei no teu ouvido. Eu pedi tanto para que não me deixes, e te pedi para ficar comigo para sempre. Os nossos segredos ficarão guardados diante do mar, e se um dia alguém quiser matá los, buscarei os alí, onde as ondas misturaram nosso amor, nosso desejo, nossa felicidade e nossa paixão. E o mundo parou quando você disse eu te amo, mas o mundo rodou novamente quando percebemos a realidade.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

[....]

Minha felicidade está em tuas mãos, cuide dela. Meu sorriso agora é seu, faça - o ser sempre sincero. Porque eu te amo.
Volto domingo com novas postagens *-*

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Convenção social.

Se eu parasse aqui, em meio ao nada, olhasse em seus olhos e deixasse escapar de meus lábios simples palavras que lhe ferissem o coração? E se eu olhasse agora em teus olhos e susurrase dizendo que estou morta? Você acreditaria em mim? Talvez eu deva parar um pouco e pensar sobre a rotina que me torna ser, a rotina que me faz ser quem eu sou. E eu me pego pensando que escolhi e opinei pelo caminho mais difícil, que por convenções sociais está proibido. Proibido. O que seria proibido? Talvez o proibido seja tudo, e tudo seja o melhor que o nada. Talvez pode ser que o nada estivesse sempre presente na vida de cada um que se tornou impossível deixá lo. Pode ser que o tudo não seja tudo, e eu sempre tenha sido nada. Mas eu posso dizer que sempre vou ser alguém diferente, ou que talvez tente ser diferente e seja igual. Sou tão tempestuosa que nem sei mesmo quem sou, são ignorante e sensível demais a ponto de chorar por minha própria morte, e diante de meu próprio reflexo. Eu gostria muito que tentassem olhar lá no fundo dos meus olhos e enchergar a plenituda da minha alma obscura, vazia e sem cor, que por pura convenção da sociedade machista, tirou meus princípios , meus sorrisos e minha felicidade. E eu continuando a ser, alguém que no fundo só quer mostrar suas verdades.

Nosso mundo.

Nos teus olhos, vou encontrar minha paz
Encontrar um novo mundo, me tornar capaz
Na tua face, vou ver o sol brilhar
Arregaçar minhas mangas, sentir o vento pirar
Nas tuas mãos vou perceber meu conforto
Nos teus braços vou jogar completamente meu corpo
Nas tuas vestes vou adentrar
E tua boca, vou insistir beijar
Nas tuas palavras vou adormecer minha carne
Nos teus sonhos vou insistir em penetrar
E teus olhos eu vou beijar na noite de luar
Vou te amar a noite inteira
Te contemplar com minhas mãos
Meu coração vai bater com o teu
Vai te encher de paixão
E a cada olhar que eu te der
Vai ser de intenso e puro amor
Descobrir um mundo novo
Te mostrar o meu ardor
E a lua intensamente brilhando vai nos achar
Nos cobrir com uma luz plena
A luz que me fez te encontrar
A magnetude de nossa alma ao se descobrirem
A diferença de serem iguais
A mistura de nossa carne
Nesse mundo de mortais.

(...)

E ali estava eu, novamente. Meus pés encontrando a areia e minhas lágrimas se misturando com as águas salgadas do mar. Eu estava tão firme diante dos meus pesadelos que chorar já era comum, e meus gritos de desespero consequentemente normais. Eu estava tentando ser firme diante de mim, diante das minhas verdades e das minhas mentiras. Tentando consolar a mim mesma diante da minha monotonia.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Meu caminho ( texto)

Estava caminhando em direção ao nada, talvez em direção ao meu destino, andando, caminhando e sonhando. Observei as placas, as sinalizações , os carros passando rapidamente sobre mim e as pessoas correndo, como se eu não existisse ali. Entrei em becos e lugares tão escuros a ponto de fazer com que meus olhos se perdessem no nada. Parecia uma vida preta e branca, e o meu destino estava ali, só eu poderia chegar ou não ao fim de minha trilha. Os ventos soavam ao contrário de meu corpo, e meus cabelos voavam em direção ao norte. Os rios passavam diretamente e eu podia sentir o odor da sujeira que o mundo fornecia. Percebi que haviam apenas dois caminhos, o mais claro e o sem luz. Eu vi luzes, e vi nunvens, eu vi vozes e ouvi gritos, vi monstros e tive pesadelos, e só podia escolher um. Gostei da claridade e me meti no meio dela, me senti em um mundo colorido onde todos podiam sorrir, menos eu. E eu estava cansada, de andar, de sonhar e de viver. Voltei. Fui pelo caminho mais tempestuoso, o caminho que minha alma escolhera traçar. E lá me vi perdida entre as nuvens que choravam em meio as águas dos rios que consolavam meus pés cansados. Segui então desesperada, tentando fugir dos pingos que caíam sobre minha face. Eu vi luzes se apagando enquanto eu passava e consegui ouvir gritos de mulheres, de crianças e de homens desconsolados. Eu vi nuvens e ouvi choros, eu chorei e me perdi novamente. As pessoas se misturavam e eu me sentia novamente em um mundo preto e branco, onde eu era invisível. Do meu lado, a solidão me acompahara e dizia para me mater firme com ela, e só com ela. E minhas mãos havia papel e caneta, em m eus pés já não havia calçado e minha roupa estava completamente despedaçada pelo forte vento que se deparava com minha'alma. Eu podia sentar e escrever cada detalhe, eu podia chorar e deixar as lágrimas molharem minhas letras, eu podia morrer e deixar minha alma ser libertada alí. E eu levantava e ia em busca do meu destino, no qual não conseguiria encontrar. Minhas vestes estavam me fazendo sentir frio, e meu cansaço queria me fazer parar. Mas eu tinha a solidão, e o túmulo do medo já havia sido retirado de minha vida. Finalmente, ao chegar no fim de minha trillha, encontrei uma pequena menina, e olhei em seus olhos que me pareciam completamente familiares. Ela olhou minhas mãos suadas e os calos que a caneta havia deixado. Olhou meus pés e viu o cansaço do tempo percorrido. Olhou minha face e as linhas de tristeza, e percebeu em meus olhos a melancolia da solidão. Me fez sentar e me mostrou um caderno, eu li algumas anotações. Olhei em seus olhos familiares e percebi que era o mesmo que o meu, e tudo o que havia escrito. No final das páginas estava escrito aquele momento e ela pegou em minhas mãos. Disse olhando em :
Eu estive com você em todo teu percurso. Eu estive com você durante teus medos, teus sorrisos e lágrimas, teus erros e acertos, e na morta da sua alma. Estive dentro de você e voce permaneceu com os olhos de criança diante de tudo, mas com a sabedoria de quem sofre a cada dia. Aqui, não é o final dessas páginas, mas sim o começo, porque a sua caminhada não chegou ao fim, e sim acabara de começar. Eu não vou deixar você. Seu destino vai te guiar, e eu vo estar dentro de ti.
E um sábio havia me dito uma vez, que o tamanho do mundo é o tamanho que eu quero que seja, e muito mais do que eu posso ver. Então, ainda há muito o que percorrer, e eu estarei de mãos dadas com a solidão, e com a maturidade e meus olhos de criança.